segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

De Volta ao Paraíso - ANNA Inusitada SUMMER

Cética aos quarenta e um anos se considera feliz, tem um antiquário que lhe proporciona viagens em busca de novas descobertas, uma linda filha Aluada uma adultescente de 23 anos, um ex-marido gentil, atencioso e Sossegado que apesar de todas as suas qualidades infelizmente não conseguiu conduzi-la ao caminho dos tijolinhos amarelo da felicidade.

Durante toda a sua vida, ela lutou contra os delírios insanos de sua mãe Avoada que acredita fielmente que as forças cósmicas são responsáveis pela felicidade da humanidade e que, junto com sua filha Aluada, faz com que ela delire e se enerve por seu modo de ser tão Cética, inclusive ela nem tem muita certeza das forças superiores que nos regem no dia-a-dia.

Ela não consegue conceber a ideia de que ela se sujeite a ficar sem amor por estar a tantos anos sozinha, não tendo sequer um cobertor de orelha para aquecê-la nas longas noites de inverno e, o pior de tudo, é ela se conformar e se sentir feliz nessa condição. 


Dia sim dia também Avoada e Aluada fazem um complô, insistem em afirmar que sua vidinha sem sal ou açúcar não pode fazer com que ela seja feliz, afinal ela não tem um amor ou alguém com quem dividir os problemas e repartir as dificuldades, mas principalmente um Men para compartilhar as felicidades de sua pacata e estéril vida.

Ela já está com os pacovas na lua de tanta encheção de saco, se considera uma alienígena por conviver diariamente com tanta gente Avoada, Aluada e Sossegada. Realmente não sabe como foi parar em meio a tanta gente aloprada e no mundo da lua, definitivamente ela não sabe qual é a parte que lhe cabe nesse latifúndio Cético di Papel.

Sabendo que tem que se acostumar a essa vida por não ter outra opção de escolha ou chance de fazer uma troca de família, Cética faz ouvidos mouros para todas as crendices de sua mãe Avoada que pede ajuda cósmica para ela desencalhar, bem como das doideiras de sua filha Aluada que quer que ela encontre alguém que a beije muito, pois só assim ela poderá ser feliz, além de dar conta de ouvir todas as suas lamúrias adultescente!

Quase atrasada para um importante encontro, Cética começa a sentir um ziriguidum estranho rondando suas entranhas a deixando com um terrível mal estar. Justo neste momento várias ligações solicitam sua atenção imediata fazendo com que ela se sinta ainda pior. Dirigindo e não tendo mais como adiar essa parada sinistra, ela “rouba” uma vaga no shopping na cara dura de tão mal que está se sentindo.

Já trocando as pernas, Cética sucumbe e cai ao chão em pleno estacionamento aos pés de Agnes o tudibom o qual ela “roubou” a tal vaga no shopping e que, graças aos deuses di Papel, prontamente lhe presta os primeiros socorros a salvando definitivamente de bater as boas, além de meigamente lhe sussurrar palavras de conforto e bem estar.

Quando chega o SAMU Cética é encaminhada em busca de um hospital que tenha uma vaga para socorrê-la, Agnes tenta ir junto com a ambulância mas infelizmente é impedido por não ser alguém da família. Na correria perde o rumo do lugar para a qual ela foi enviada percebendo, tarde demais, que nem sabe qual é o nome daquela que mesmo desacordada o impressionou tanto.

Se fosse na vida di Verdade, o Men daria graça a Deus por ter se livrado desse imbróglio e ter se livrado do peso Lazarento de responder a todas as perguntas que seguiriam, ainda mais depois do trauma de ter perdido a mulher de maneira tão trágica, mas como estamos falando do mundo di papel...

O que ele faz? O que? O que? O que Caráaaglio? Corre de hospital em hospital durante dias tentando localizar aquela que tato o impressionou, para saber se ela sobreviveu e está bem ou se sucumbiu nos braços de Morfeu!

Confesso que até esse momento esse livrinho está tão insosso que a Adriana está arrependida de ter começado a ler essa bodega! Já respirando cachorrinho e correndo o risco de cair do sofá de tanto tédio se afogando numa estorinha boring com uma sacolinha na cabeça...

Eis que já quase deletando o livrinho, sou surpreendida por uma das revelações mais surpreendentes que já tive notícia! Literalmente a Boattini ficou com o queixo caído e a boca aberta ao saber quem realmente é esse Men e tomar ciência de toda a trajetória de sua vida!

A partir desse momento a Adriana ficou estática e ansiosa para saber qual seria o fim dado a essa estorinha e como a autoria faria para conseguir desenrolar o romance entre Cética e Agnes que acabou se revelando ser um ser di Deus.

Não posso dizer que esse livrinho tem o melhor romance ou enredo que se tem notícias, mas a Boattini pode dizer que foi surpreendida com o queixo arrastando pelo chão por sua inusitada trama que fez com que eu me pegasse pensando que nem sempre tudo o que parece é, além do que todos tem o direito de amar!

10 comentários:

  1. uau... fiquei curiosa em saber quem QUEM QUEEEMMM é este homem... vou ter que ler... bjs
    |Cris Veiga

    ResponderExcluir
  2. Fiquei curiosa também e já está na minha lista de leitura.

    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Mermazinha,
    Fiquei super curiosa, vc vai ter que me contar esse mistério misterioso...o nome que vc deu a ele deve ser uma dica..mas ainda não matei..hehehe.
    beijos,
    Marilda

    ResponderExcluir
  4. Cris fala para a Veiga que esse hominho di papel é realmente uma surpresa em nome de Deus!

    ResponderExcluir
  5. Lu... Eu nunca li um enredo semelhante!

    ResponderExcluir
  6. Marilda... Vou jogar a isca e a vara!
    E aí pescou a parada sinistra do Agnes di Deus?

    ResponderExcluir
  7. Mermã... estou de volta após tão, tão longos anos encrazulada em uma masmorra da bendita da FAculdade..
    ...estou adorando o retorno...
    Bjs..

    Kinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kinha... Fico feliz ao saber que os grilhões da sabedoria, em busca da infinita sapiência, a libertaram da masmorra da busca do terceiro grau!
      Welcome to back e vê se a mina não some mais!

      Excluir
    2. Ok mermã!! estamos de volta!!
      Bjs.

      Kinha

      Excluir
    3. Kinha... Vê senão some mina!

      Excluir